• Caros leitores, nossa queridíssima cantora Aline Mel concedeu um tempinho na sua agenda corrida e nos deu uma entrevista pra la de especial.

    Nossa estrela pra lá de arretada (característica dos arianos), tem apenas 31 anos de idade e leva com ela uma longa historia na música.
    Nos contou detalhes da sua carreira musical, seus altos e baixos e tudo o que rola e o que virá no FORRÓ NA VEIA.



    CONFIRAM



    No dia 15 de Junho o Forró na veia completou 8 anos de existencia. Nesses 8 anos mudou alguma coisa na sua vida ?



    Acho que a minha história como artista, se mistura com a história do Forró na Veia. As vezes vejo como é interessante o mundo do forró, pois se você não emplaca uma música atrás da outra, as pessoas literalmente te esquecem. Tive altos e baixos na carreira, mas valorizo cada fase, porque minhas experiências é quem fazem a pessoa que eu sou. Algumas coisas mudaram sim! O poder aquisitivo, o tratamento das pessoas comigo, mas principalmente a visão do mundo da música. Sei que parece clichê, e talvez seja, mas hoje dou valor a quem realmente me dá. E se vejo que alguém está perto de mim por algum tipo de interesse, eu me afasto rapidinho. É como meu "guru" Vantuil diz: "Nossos valores é que fazem quem nós somos e ditam as escolhas que nós fazemos."

    Qual foi a coisa mais incrível que você passou nesses 8 anos?




    Foi em 2005, eu acho, porque sou muito ruim com datas. Quando a banda fez muito sucesso no Piauí e no Maranhão, e gravou um DVD numa casa de show chamada Atlantic City em Teresina - PI. Tinha muita gente, umas 15.000 pessoas, e todo mundo cantou minhas composições. Entrei no palco sabendo que as pessoas gostavam das músicas, mas não sabia que estavam estouradas. E aí quando eu dei o famoso gritinho "Forró na Veiaaaa!!!" e as pessoas ficaram eufóricas, eu quase nem acreditei. Foi muito massa! Tenho aquele show na memória... (confira imagens deste show no final da entrevista)







    Por que a banda recebeu esse nome? Na época do surgimento qual era a formação Forró na veia?



    A gente escolheu esse nome por dois motivos! O primeiro é que queríamos um nome, que englobasse tudo o que o forró representa. Desde suas raízes com o Gonzagão, até a metamorfose que o forró passou, e passa, que é essa mistura com a música pop, o axé, o pagode, o sertanejo, etc... O segundo motivo é engraçado. Esse era o nome que soava melhor na época. As outras opções eram muito ruins. Tinham por exemplo, Forrozão Classe A, Forró Batida de Limão, Banda Êxtase Tota, rsrsrs... e por aí vai.
    Em 2003, a formação original do Forró na Veia era bem diferente. Éramos três cantores, Higor Pfaender, Márcio Martins e eu. Tínhamos um trio de metais, entre outras coisas. Mas a batida meio pop e a irreverência nas músicas era a mesma. É tanto que as canções da época até hoje são pedidas nos shows, a galera canta junto e muita gente pergunta pelo Higor Pfaender que marcou o Forró Na veia com sucessos como, Você Não É Dona de Mim, Garota Djow e Só Quero Ficar. Mas passaram também outros cantores. Sukhyta Victor (compositora do sucesso Bye Bye My Love), Neto Bala (que gravou o famoso hit Puxão de Cabelo), Vitinho e Danny Love. Todos esses cantaram junto comigo. Mas na época em que eu saí da banda, outros cantores assumiram os vocais, Jean Barros, Litinho Negão, Elly Feitosa, Vivianne Brasil e Cley Braga. Nessa atual formação das três cantoras, passaram ainda Fabrícia, Evandro e Roberto.

    Com os 8 anos de banda vieram também muitas novidades, uma delas foi a chegada de Jordana e Thays. Como foi essa mudança pra você e o que elas hoje representam na sua vida?


    O que muitas pessoas não sabem, é que as meninas vieram já faz um tempinho. Essa formação foi feita em outubro de 2009. E portanto já tem dois anos. A mudança foi caso pensado entre mim e Vantuil. Queríamos um formato novo pro forró, hoje a maioria das bandas vem seguindo o formato lançado pelo Aviões do Forró, com um cantor e uma cantora. A mudança recebeu mais críticas do que elogios, mas para mim é uma experiência boa, interessante, gosto de coisas diferentes.
    Quanto as meninas, Danha e Thays, são duas pessoas que quero muito bem. Respeito e trato praticamente como da minha família. Sei que independente de ficarmos juntas, ou não, são pessoas que vou levar no coração pro resto da vida.

    Quais as bandas que influenciaram ou influenciam o trabalho e a formação de vocês?




    Como artista só posso falar por mim, (risos)... Hoje eu escuto de tudo. Aprendi a respeitar, e sei que cada ramo da música tem sua contribuição, seu espaço. Quando você escuta de tudo, um leque de opções se abre pra você, musicalmente falando. Isso é muito bom pra mim, visto que também sou compositora. Influências tenho várias, Elis Regina, Stevie Wonder, Maria Creuza, Maísa, Fred Mercury, Amy Winehouse, Amy Lee, entre outros cantores, são ídolos meus do meio da música. Mas fanática mesmo sou por Michael Jackson. Ele é o artista mais completo do mundo. Amo esse cara!
    Agora a pessoa que mais me influenciou foi minha mãe, Oscarina. Foi dela que herdei a excelência com o trabalho, a determinação pra atingir meus ideais, a garra pra lutar pelos meus sonhos e meus valores como pessoa. Minha mãe é tudo! Sem ela do meu lado, tudo seria muito difícil.

    O Mar e as lembranças foi uma composição sua e é uma das músicas mais belas do forro na veia, o que você pensou na hora para compor a musica?



    Essa música na verdade é uma versão. Pra mim é o hino do Forró na Veia. Aquela música que eu sei que vão pedir pra sempre. Sei que as pessoas esperam uma história bonita, diferente. Mas a verdade é que não pensei muito, apenas estava num momento da minha vida em que eu sentia demais. Sabe quando a gente tá com a famosa dor de cotovelo? Pois é... Eu sei bem o que é isso! E de tanto sofrer por amor, coloquei na música exatamente o que eu sentia naquele momento. Mas não esperava que as pessoas fossem se identificar tanto. É que quando a gente está sofrendo por amor, a gente acha que está sozinho com aquela dor, e que ninguém entende o que se passa com a gente. A verdade é que o amor é mais um sentir do que um pensar. E todos os que estão, ou foram apaixonados, entendem do que eu estou falando...

    O que vc espera passar com as letras das musicas que vc compõe?




    O sucesso é algo complicado! Já fiz e cantei músicas que não significavam tanta coisa na minha vida, só porque elas estão fazendo sucesso. Principalmente as dançantes! É que o momento do show, é também um momento de alegria. Então eu brinco, danço, canto, como qualquer pessoa que está lá pra curtir o show.
    Mas nas minhas canções de amor, existe sim uma preocupação da minha parte, de passar com a letra o sentimento de ser amado ou rejeitado. Gosto muito quando as pessoas vêem minhas músicas como um espelho, refletindo o que estão passando naquele momento da sua vida. Gosto de falar nas canções sobre o cotidiano dos relacionamentos amorosos. É sempre um prazer pra mim, quando alguém se identifica comigo, através da minha música.

    Como é a relação da banda com os fãs? Onde os leitores podem comprar os CDs e produtos da banda?



    A relação é ótima! Particularmente não tenho frescura com fã não. Gosto de saber o que acharam do show, recebo sugestões pro repertório, etc. O carinho deles é o alimento da banda! Sem eles não existe Forró na Veia.
    Normalmente, os CDs e DVDs estão sempre a venda na hora do show.

    Quais os novos projetos de vocês?




    Os projetos no momento estão guardados a sete chaves, rsrsrs. Mas na hora de lançar ou gravar algo novo, a gente divulga pra vocês do DEPILADOS em primeira mão.


    Cantar uma música da banda várias veses, como vem acontecendo nos ultimos shows, seria uma estratégia de marketing? Como funciona?



    Quase tudo no meio da música é sim uma estratégia de marketing! O mercado musical hoje, anda com uma velocidade alucinante, e se você não tem sempre boas novidades pra apresentar ao público, ele fica entediado.
    Gosto de cantar a música de trabalho da banda várias vezes, porque dá pra ter uma noção do alcance comercial daquela música. Isso também é legal porque, mais pessoas podem ter a oportunidade de entender a letra, visto que, quando se escuta uma música a primeira vez durante uma show, não se entende tudo o que um cantor está cantando.

    Para terminar, eu queria agradecer muito à você. E queria que você deixasse algum recado pro depilados.com e pra quem curte a banda.



    Falar do DEPILADOS é falar de amizade! Nunca ninguém tinha entrado de cabeça no projeto do Forró na Veia só pelo fato de ser fã e gostar da gente. Quem tem que agradecer sou eu. Pelo veículo de comunicação da banda que vocês são hoje, pelo amor e carinho com o qual Washington, Amauri e Jota nos tratam e pela paciência de me aguentar, rsrsrs.
    Aos nossos fãs, toda saúde, todo amor e toda felicidade que eles nos desejam, sejam dados em dobro. Obrigado por fazerem do Forró na Veia um sucesso!!!
    Beijos e que Deus abençõe a todos.


    Entrevista realizada por Washington Guimarães

    IMAGENS DO SHOW MENCIONADO NA ENTREVISTA


    Siga-nos no        

    Share to Facebook Share to Twitter Stumble It Share Myspace Share to Orkut Digg Delicious Technorati Mais...

    { 7 comentáriosComentario }

    1. :d tô muito feliz ... adorei a entrevista

      ResponderExcluir
    2. BRUNO DE PÁDUA - BDEZ PRODUÇÕES5 de outubro de 2011 13:56

      Essa é estourada...Aline, obrigado pelo carinho e atenção que sempre vc dar a Bdez Produções e ao Hits Brasil!

      ResponderExcluir
    3. Ótima entrevista amigo! Eita que mulher arretada! kkk Cada vez adimiro mais seu talento e principalmente seu caráter! Depilados e Forró na Veiaaaaa!É sucesso! rs

      ResponderExcluir
    4. O Depilados tem esse 1° dvd do Na Veia pra baixar?

      ResponderExcluir
    5. Amigo, esse vídeo foi de um dvd gravado em Picos - Pi. Não é o de Teresina não. Rsrs

      ResponderExcluir
    6. Galera, há um tempão eu procuro o DVD gravado em Teresina e não acho! Eu queria o áudio! =(

      ResponderExcluir